31/07/2008

piclens

Quando eu digo que o Google vai dominar o mundo (e mais 22 territórios a sua escolha) dizem que eu tô exagerando. Mas olha só a mais nova invenção da galera: chama-se PicLens e é um plug-in (ou seja, programa complementar) para navegadores de internet (Internet Explorer, Mozilla, etc). Com ele instalado na sua máquina, a busca de fotos e vídeos na internet nunca mais será a mesma. Dúvida? Veja o vídeo de apresentação.



A desvantagem é que, no caso do Youtube, não dá pra colocar vários vídeos pra carregar ao mesmo tempo (bom, pelo menos não descobri ainda como). A vantagem é que, além de muito bonito e intuivo, o programa facilita o carregamento de imagens e torna a busca menos agoniante.

Quem se interessou pode baixar o programa no
site oficial. Instala em dois minutos sem nenhum trabalho, como só o Google poderia fazer por nós.

Ps.: Google, pode depositar o jabá na minha conta!

24/07/2008

stop

Da série "A dor e a delícia de ser publicitário". O vídeo abaixo contém essas duas coisas. 1) a dor: porque mostra como um cliente despreparado pode acabar com uma idéia; 2) a delícia: porque nos dá a oportunidade de rir dos gerentes de marketing imbecilóides que levam tão a sério regras que aprenderam em livros da década de 80. Sem muitas palavras, acompanhem a odisséia de uma agência de publicidade para aprovar uma simples plaquinha de trânsito de PARE.





Pasmem: isso acontece todos os dias nas agências de todo o mundo. Assim, quando vir um comercial bosta na TV, antes de falar mal dos publicitários, falem mal dos clientes.

22/07/2008

trailer de watchmen

Estou contando os minutos. Com o perdão do trocadilho.



O filme estréia em 2009.

14/07/2008

10/07/2008

mcm >>> #4

Ei, redator publicitário, na sua lista de assuntos que não podem ser abordados numa propaganda figura a palavrinha suicídio? Pois abaixo está a prova cabal de que essa listinha não existe desde 1984. O produto é o mais improvável do mundo para associar com esse tema tão indigesto: cerveja. E a execução é tão simples, mas tão simples, que dói! Deliciem-se com mais um dos Melhores Comerciais do Mundo.

07/07/2008

plog list >>> One Republic & Timbaland

Como eu vivo falando de música, resolvi criar uma seção no PLOG específica sobre o assunto (mais uma, meu Deus, onde isso vai parar?). Aqui, vou mostrar um pouco de tudo que estou descobrindo mundo afora pelas rádios, arquivos compartilhados e iPods da vida. Então, vamulá.

Começo com uma banda americana que não sai mais das rádios européias. Se chama One Republic, são estreantes e bombaram mesmo depois que Timbaland, o atual Midas da indústria da música, remixou o hit “Apologize” (fala a verdade, vocês já viram essa história antes).

Os rapazes se autodenominam como uma banda de rock, muito embora haja pouquíssimo disso em seu estilo. Ok, o vocalista usa moicano. Mas enfim, depois de Cauã Raymond moicano já não é sinônimo de punk-rock.

Timbaland (o negão) ao lado dos seus novos pupilos (os galegos): One Republic é primeiríssimo em todas as rádios da Europa

O que posso afirmar é que a banda não é um primor artístico, mas agrada. Suas canções são feitas para que se digam delas “ai, essa é minha música” (daquele jeito apaixonado e boboca, entre suspiros). Mas tudo bem, relaxa e goza. O importante é que não dói nos ouvidos e dá até vontade de cantar junto de vez em quando.

Sem muito blablablá, vamos ao hit. Abaixo, as duas versões de “Apologize” pra que vocês decicam qual a melhor. Ou menos pior. Sintam-se a vontade.

“Apologize” original:

Apologize - OneRepublic


Apologize by Timbaland:

Apologize - Timbaland Feat. OneRepublic

Em tempo: Além de trabalhar com Justin Timberlake e Nelly Furtado, Timbaland já pôs seu toque mágico em trabalhos de Destiny’ Child, Pussycat Dolls e Björk. Com esta última, inclusive, elevou o pop a um estado de brilhantismo com o single Innocence. Infelizmente, em sua última colaboração de peso não foi muito feliz. Produziu faixas pro novo de Madonna e, apesar do esforço da mídia, bem, o resultado foi mais fraco que suco de pipoca.

Em tempo 2: Não, Junstin Timberlake e Timbaland não são a mesma pessoa. E essa é a última vez que explico isso!

06/07/2008

mcm >>> #3

Uma vez na vida, a gente que é publicitário fica surpreendido com uma propaganda. Não é que achamos tudo ruim. Não, tem muita coisa boa. Mas que nos surpreenda, há pouquíssimas. O VT abaixo é uma delas.

Não vou dizer qual o produto, porque é realmente a cereja do bolo desse comercial. O que você precisa saber antes: 1) foi feito em stop motion, ou seja, animação foto a foto; 2) foi gravado em Nova York, ou seja, um trabalho do caralho pra fazer isso nas ruas de uma metrópole; 3) ganhou Leão de Ouro em Cannes esse ano, ou seja, é muito muito muito foda!




Se você está babando em cima do teclando, assista ao making off. Você vai ver como é simples gravar um VT desses. he he he.




E por falar em Cannes, o viral "Evil mobile" que eu publiquei no post Telefonia má também levou um leão de ouro. Um sintoma de que o futuro da propaganda já é um presente.

01/07/2008

todos vs. china

É quando vejo esse tipo de coisa que exclamo singelamente: "Puta que pariu, que orgulho do caralho de ser publicitário!!!". As peças abaixo são da agência TBWA/Paris para Anistia Internacional e a assinatura diz: "Após os Jogos Olímpicos, a luta pelos direito humanos tem que continuar".




Outra boa porrada contra a China foi o que fez Björk em sua última apresentação no país em abril desse ano. Última mesmo. Explico: as autoridades da China fazem uma triagem das músicas que os cantores internacionais podem apresentar em seus shows. A excelente "Declare independence", do disco "Volta", não foi aprovada porque ia direto no calo da China no momento: a luta pela independência do Tibet. Pra ter uma idéia, uma das frases repetidas à exaustão na canção é "Declare independence / Don't let them do that to you" (Declare independência / Não deixe que eles façam isso com você).

Entretanto, apesar da proibição, Björk cantou a música no show. E mais: dedicou a todo o povo do Tibet. E mais: os chinesinhos estavam tão enlouquecidos com a performance da artista que nem se deram conta que todos, em uníssono, entoavam um mantra contra o governo chinês. E mais: as autoridades só se deram conta do fato quando viram vídeos da apresentação e, a essas alturas, Björk já estava longe demais pra ser executada com uma bala que sua família teria que pagar depois. Agora ela é persona non grata no país. Mas creio que valeu a pena.

E ainda tem mais: com base nesse episódio, no melhor estilo "eu chuto cachorro morto", Björk fez esse vídeo. Que, como não poderia deixar de ser, é incrível.



E já que estamos falando nisso, que tal uma visitinha ao site da Anistia Internacional pra ver como realmente anda o mundo?